Dengue atinge mais de um milhão de pessoas no Brasil

por | 14/03/2024 | Cuidado e Prevenção, Dicas, Saúde

O Brasil já registrou mais de 1.318.336 casos prováveis de dengue, segundo dados do Ministério da Saúde na última quinta-feira (7). A dengue é transmitida pelo mosquito Aedes aegypti e pode avançar para casos graves de saúde.

Os estados mais atingidos pela doença, segundo o Painel de Monitoramento das Arboviroses do Ministério, são: Minas Gerais (451.731 diagnósticos), São Paulo (235.447), Paraná (126.922), Distrito Federal (121.443) e o Rio de Janeiro (101.145). Outros três estados aparecem com números expressivos de casos prováveis: Goiás (76.932), Espírito Santo (48.706) e Santa Catarina (36.306).

Até a terça-feira (5), oito estados federativos decretaram estado de emergência de saúde: São Paulo, Distrito Federal, Acre, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Santa Catarina.

A vacina contra a dengue foi anunciada na última sexta-feira (8) pela Ministra da Saúde, Nísia Trindade, que atualizou o cenário epidemiológico da dengue no Brasil e reforçou a segurança e eficácia das vacinas disponibilizadas no Sistema Único de Saúde (SUS), como a da dengue. A faixa etária que está recebendo a vacina está entre 10 e 14 anos, por ser a mais atingida, com necessidade de hospitalização. O imunizante passou pela avaliação da Anvisa e é recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS). 

O Hospital Adventista Silvestre já recebeu neste ano, 273 casos suspeitos de dengue. Destes, apenas três precisaram de internação.

Entrevista com o Dr. Bruno Zappa, Infectologista da Rede Silvestre

Bruno Zappa é infectologista do Hospital Adventista Silvestre. Foto: arquivo pessoal

Devido ao aumento no número de casos de dengue em todo o Brasil, o Hospital Adventista Silvestre entrevistou o Infectologista Dr. Bruno Zappa, durante uma live na rede social que pode ser assistida no Instagram Rede Silvestre.

A entrevista completa pode ser conferida a seguir.

A faixa etária mais atingida está entre 30 a 39 anos, e em sua maioria são mulheres (55,5%), enquanto os homens ficam em torno de 45,5%. Existe algum motivo em especial para isso?

Dr. Bruno Zappa:Na verdade, o índice acompanha a densidade demográfica brasileira que tem em sua maioria mulheres. Mas a doença não escolhe sexo, raça ou cor. Todos podem contrair a doença”.

É verdade que a dengue só acontece no verão?

“Tem tudo a ver com chuva e calor. Quem transmite a dengue é o mosquito, Aedes aegypti, e a proliferação depende de água parada e calor para este ovo eclodir. Devido às fortes chuvas no verão, favorece muitos focos com água parada pelas ruas, quintais e terrenos em geral, que somados ao calor intenso, propicia a temperatura ideal para a eclosão dos ovos. Por isso, nossa percepção é de que a doença acomete mais no verão. Portanto, sempre que tivermos as condições ideais (água limpa e calor), mesmo fora da estação do verão, teremos casos de dengue acontecendo com maior incidência”.

A única forma de contrair a doença é através do mosquito? Quem for picado vai contrair a doença?

“A picada do mosquito é a única forma de transmissão. Nem todos que forem picados vão pegar a doença, pois depende de dois fatores. Primeiramente, se a pessoa tiver uma imunidade forte decorrente de outras infecções de dengue, é possível se proteger; em segundo lugar, se o mosquito tiver ou não o vírus da dengue, o que é muito infrequente, pois o mosquito já nasce com o vírus. Existe também o caso de pessoas que tiveram a dengue com um quadro muito brando e nem perceberam que tiveram a doença. No futuro, ao realizar o exame de sorologia, pode descobrir que teve a doença. Então, não necessariamente a pessoa contrai a doença com a picada, e se contrai, não necessariamente precisará ir ao hospital ou fará algum tratamento específico”.

Apenas a fêmea transmite a doença?

“O mosquito macho se alimenta basicamente de frutas. Mas a fêmea precisa de proteína, então, ela precisa de sangue para reproduzir os ovos. Realmente somos picados pela ‘mosquita’ e não pelo mosquito, neste caso, a fêmea é a vilã.

Uma pessoa com dengue pode transmitir para outra?

Não, isso não pode acontecer. Pode abraçar, tocar, ficar perto, a dengue não é transmitida através de contato. A dengue só é transmitida pelo mosquito.

Qualquer inseticida é eficaz contra o mosquito?

Existem três compostos liberados pelo Ministério da Saúde para o combate ao mosquito, tanto inseticida como repelente. Os dois mais comuns são o deet e o icardina. A diferença entre eles é o tempo de duração: a icardina protege por 12 horas como repelente, já o deet deve ser aplicada a cada duas ou três horas. Mas ambos são eficazes contra o mosquito, desde que aplicados na quantidade necessária, pois são excelentes para se proteger contra o mosquito. Já os inseticidas aerossóis têm uma ação muito fugaz, pois perdem a eficácia rapidamente, mesmo os de tomada. Por isso, a melhor proteção contra o mosquito é passar o repelente na pele. Do ponto de vista físico, o ideal é usar tela nas janelas e manter a porta fechada durante o anoitecer, que é quando o mosquito aparece. Medidas eficazes, baratas e duradouras.

A água de piscina é uma ameaça?

A água da piscina que está limpa e sendo usada, com cloro adequado, sendo filtrada e com pessoas usando com frequência, não oferece problema. O mosquito precisa de água parada, limpa e sem cloro. O problema é quanto a piscina está em desuso, malcuidada ou abandonada. Se a piscina estiver abandonada com a água parada, será um criadouro do mosquito.

Que medidas podem ser tomadas para evitar a proliferação do mosquito?

O principal é eliminar possíveis focos do mosquito, pois ele precisa de água parada e limpa, mais o calor. O ideal é retirar do ambiente qualquer coisa que possa acumular água. Pratinho da água da planta, copos descartáveis no lixo, pneus em quintais ou terrenos baldios, ou qualquer objeto que possa acumular água. O mosquito precisa de um tempinho para se reproduzir. Se tivermos o cuidado de verificar estas coisas uma vez por semana, lavar os recipientes de plantas, já vamos combater possíveis focos. Se todos cuidarem da sua casa, juntos, eliminaremos os focos efetivamente.

É possível reconhecer o mosquito Aedes aegypti?

É fácil identificar, as pernas são listradas em preto e branco e ele tem um desenho nas costas. Alguns pernilongos comuns são muito parecidos com o da dengue. Mas o ideal é nem querer identificar, mas livrar-se de todo e qualquer mosquito.

Uma pessoa infectada por ser reinfectada pela dengue?

Existem quatro tipos de dengue circulando e a imunidade contra uma interfere muito pouco com a da outra, então podemos pegar dengue várias vezes e desenvolver ou não o anticorpo. É comum contrair a dengue mais de uma vez, e no segundo episódio pode facilitar de ter uma dengue mais grave. Não significa necessariamente que será assim, mas aumenta a chance e tudo vai depender do sistema imunológico de cada pessoa. Ter tido dengue é um fator de risco para ter uma doença mais grave na segunda vez.

Há chance de num segundo episódio da doença ser a dengue hemorrágica?

Estamos falando da mesma doença, dengue, com tipos diferentes. Comum, hemorrágica, febre hemorrágica da dengue: todas são dengue. O que diferencia é como o organismo da pessoa vai reagir àquele vírus naquele momento. O mesmo vírus pode vir comum numa pessoa com poucos sintomas e em outra pessoa ser uma dengue hemorrágica e ter mais complicações. Mas a doença é a mesma e o vírus é o mesmo. O que vai determinar é a reação do nosso sistema imunológico, ou seja, o sistema de proteção do nosso corpo, com o vírus. Logo, a chance de uma pessoa que tem dengue pela segunda vez ter a hemorrágica é maior do que quem pega dengue pela primeira vez.

Existe algum tipo de tratamento caseiro para a dengue? Ou o ideal ao perceber os sintomas é ir para o hospital?

Primeiro é preciso identificar, pois é uma doença que chama muito a atenção, pela febre muito alta e dores no corpo. O ideal é iniciar a hidratação em casa imediatamente, muito líquido: água, suco, Gatorade, água de coco – tudo à vontade e em grande quantidade. E claro, as populações de risco (doentes renais crônicos e cardiopatas), procurar imediatamente o atendimento médico para dar início ao monitoramento de necessidade ou não de medicação. Alguns precisarão tomar soro  pela boca, outros, soro venoso. Independente disso, não espere ir ao médico para começar a se hidratar. Para pacientes com alguma limitação de não poder beber muito líquido, o ideal é ir ao médico o quanto antes. Para a população em geral, indicamos beber bastante líquido.

A vacina pode ser um auxílio para combater a dengue?

A expectativa é que até o final do próximo ano haja vacina suficiente para todos. A vacina se mostra muito eficaz, do ponto de vista de estudo, está finalizada, comprovada a sua eficácia e pronta para uso, resta apenas aguardar a quantidade necessária para toda a população.

É possível contrair a dengue e outras doenças ao mesmo tempo, como Zika e Chikungunya?

Sim, o mosquito é o mesmo. Os três vírus podem coexistir no mesmo mosquito. De maneira inicial, não é possível diferenciar se a pessoa tem dengue e mais doenças ao mesmo tempo, pois os sintomas são muito parecidos. O importante é que a conduta com este paciente não seja a preocupação de qual vírus ele tem, mas que seja tratado de igual forma: muita hidratação. Na dúvida, o tratamento inicial será para a dengue, pois o objetivo é salvar a pessoa, sempre!

Quais os sintomas identificados na dengue?

Febre alta (39° a 40°C) de 2 a 7 dias, dor de cabeça, no corpo e articulações, manchas avermelhadas pelo corpo e, às vezes, pele áspera. O ideal no atendimento médico é iniciar o tratamento para a dengue diante do quadro epidemiológico que estamos vivenciando.

Qual o tratamento para a dengue?

O principal tratamento para a dengue é a hidratação. Pode ser via oral, ou de forma venosa, dependendo do estágio. Geralmente o paciente fica mais grave no 3° ou 4° dia. A gente não espera chegar neste momento para hidratar, então ao menor sintoma, a pessoa deve iniciar a hidratação de hora em hora, com água, suco, Gatorade ou água de coco. Nem todo paciente precisa de exame de sangue. Para a pessoa jovem ou em bom estado de saúde, recebe o atendimento e vai para casa. No caso de piora, ele retorna ao atendimento médico. No caso de pacientes com outras comorbidades (diabetes, hipertensão e outros), o ideal é acompanhar o paciente com o exame de sangue. Através do hematócrito é feito o acompanhamento das hemácias e plaquetas

Por fim, o doutor Bruno Zappa indica três procedimentos básicos em caso de dengue:

  1. Ao chegar sua vez: tome a vacina! Não perca a oportunidade! Ela poderá salvar a sua vida!
  2. Vamos ajudar outras pessoas e controlar a proliferação do mosquito! Vamos acabar com a água parada no entorno da nossa casa.
  3. Ao menor sinal de dengue: hidrate-se! Hidratação é fundamental para a vida.

View all posts

Outros Posts

Arquivo de Posts